Design. Designers Negres: Perspectivas Ativistas

Nathanael Araujo e Rodrigo Rosm



Arte Moderna, Arte Contemporânea, Profissionais do Design, Teorias Feministas, Antropologia Social 



                 MATRÍCULA                
MATRÍCULA PARA BOLSISTAS


DINÂMICA


Aula expositiva em videoconferência

Exercícios semanais com acompanhamento coletivo em aula

Compartilhamento de referências semanais com debates coletivos em aula



PÚBLICO


Indicado para pessoas interessadas em conhecer e/ou pesquisar o tema.

Indicado para pessoas interessadas em desenvolver processos artísticos e para pessoas com processos artísticos em andamento.

Não exige conhecimentos prévios.



QUANDO


15 de março a 31 de maio
Segundas, de 15h às 18h



VALOR


R$ 1350,00 ou 3x de R$ 450,00



RECURSOS NECESSÁRIOS


Acesso à internet

Computador ou celular com câmera



                 MATRÍCULA               
MATRÍCULA PARA BOLSISTAS

SOBRE


O curso tem como objetivo explorar a emergência e consolidação do design enquanto identidade profissional, por um lado, e os debates relativos à presença e ausência de profissionais negres no exercício desta profissão. Por meio de um conjunto de trabalhos e projetos desenvolvidos por alguns desses(as) designers existentes e atuantes, sobretudo, no mundo da arte impressa, exercitaremos conversas, análises e ações criadoras pautadas por clivagens de gênero, sexualidade, raça/etnia, nacionalidade e classe.


CONTEÚDO


A primeira parte do curso será composta pela apresentação das principais pesquisas e conceitos necessários para a apreensão dos objetivos do curso: antropologia urbana, da arte e das materialidades; as teorias das relações étnico-raciais, de gênero e sexualidade; história social do design, do design gráfico e editorial; os feminismos e os feminismos negros; os movimentos sociais no Brasil. Estruturado de modo a entrecruzar uma parte teórica com outra parte prática-experimental, no que se refere à primeira, as aulas expositivas buscarão oferecer aos alunos a possibilidade de melhor enveredar por questões sociais variadas e seus rebatimentos em manifestações artísticas. No que diz respeito à segunda parte, a proposta é que possamos desenvolver processos de leituras e traduções de trabalhos inexistentes em português, possibilitando futuramente sua edição e publicação impressa. Cabe mencionar, por fim, que o curso buscará recuperar, adensar e ampliar debates arrolados nos cursos ministrados anteriormente na Escola de Artes Visuais como “Livros de Artista - modos de ler e fazer” (junto com Ana Luiza Fonseca, 2019), “Gênero e Sexualidade na Arte Impressa” (2020) e “A Casa como Destino. A Casa como Projeto” (2020.2).


REFERÊNCIAS


ANASTASSAKIS, Zoy. Triunfos e Impasses. Lina Bo Bardi, Aloisio Magalhães e o design no Brasil. Lamparina, Rio de Janeiro, 2014.

APPADURAI, Arjun. A Vida Social das Coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: EdUFF, 2008.

ARAUJO, Nathanael. “As muitas faces de um livro: sexualidade e moralidade no mercado editorial”. In: RANGEL, Everton; FERNANDES, Camila; LIMA, Fatima (org.). (Des)Prazer na Norma. RJ: Editora Papéis Selvagens, 2018. Disponível em: http://www.papeisselvagens.com/uploads/6/9/3/3/69339767/desprazer_da_norma__pdf_.pdf

BARTH, Fredrik. Etnicidade e o Conceito de Cultura. Antropolítica. Niterói, n. 19, p.15-30, 2005.

BUTLER, Judith. 2010. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BECKER, Howard S. Mundos da Arte. Lisboa: Livros Horizonte, 2010.

BONADIO, Maria Cláudia. As modelos negras na publicidade de moda no Brasil dos anos 1960. Visualidades. Revista do programa de mestrado em cultura visual, v. 7, n. 2, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2009. ISSN 2317-6784.

CAMPBELL, Shirley. “A estética dos outros”. Tradução de Érica Giesbrecht. Revista Proa, n°02, vol.01, 2010. http://www.ifch.unicamp.br/proa

CHARTIER, Roger. A Ordem dos Livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1999.

DABUL, Lígia. “Conversas em exposição: sentidos da arte no contato com ela”. In: MAGALHÃES, Aline Montenegro; BEZERRA, Rafael Zamorano; BENCHETRIT, Sarah Fassa. (Org.). Museus e Comunicação. Exposições como objeto de estudo. RJ: Museu Histórico Nacional, 2010, v. 1, p. 99-111.

DABUL, Lígia. “Práticas Sociais em Exposições de Arte de Centros Culturais: Formas de Ocupação de Espaços Públicos”. In: VALENÇA, Marcio; CAVALCANTE, Gilene Moura (Org.). Globalização e Marginalidade: Transformações urbanas. RN: EUFRN, 2008, v. 1, p. 179-188.

DARNTON, Robert. “O Que é A História do Livro?” In: O Beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. SP: Companhia das Letras, 1990.

DARNTON, Robert. 2007. “What is the history of books?” revisited. Modern Intellectual History, 4(3), 2007, p. 495-508.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O Mundo dos Bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004.

COSTA, Cacilda T. da. Livros de Arte no Brasil, edições patrocinadas, São Paulo, Coleção Itaú Cultural, 2000.

LEITE, Luiza. Livro de Artista, Antiarquivo. Arte: Cena crítica. GADELHA, Carmem; LEITE, Luiza [orgs.]. Rio de Janeiro: Circuito, 2018.

SILVA, Leonardo Nóbrega da. Projeto Gráfico em Livros da Editora Cosac Naify: Cultura Material, Artesanato e Estetização. ARQUIVOS DO CMD, v. 4, 2016, p. 156-171.

CADOR, Amir Brito. Enciclopedismo em Livros de Artista [manuscrito]: um manual de construção da Enciclopédia Visual. Tese, UFMG, 2012

BUTOR, Michel. O livro como objeto. In: Repertório. SP: Perspectiva, 1974.

BURY, Stephen. Artists’ books: the book as a work of art, 1963-1995. Front Cover. Stephen Bury. Scolar Press, 1995.

FACCHINI, Regina; SIMÕES, Julio Assis. Na Trilha do Arco-íris: Do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2009.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 1: A vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 20014.

FAUSTO, C;  FRANCHETTO, B & MONTAGNANI, T. “Les formes de la mémoire: art verbal et musique chez les Kuikuro du Haut Xingú (Brésil). L’Homme, 197 : 41-69, 2011.

FINNEGAN, Ruth. Oral Poetry. Bloomington: Indiana University Press, 1992.

FRANCHETTO, B. “A guerra dos alfabetos: os povos indígenas na fronteira entre o oral e o escrito”. Mana. Estudos de Antropologia Social, 14(1):31-59, 2008.

GELL, Alfred. Definição do problema: a necessidade de uma antropologia da arte. Revista Poiésis, n 14, pp. 243-261, 2009.

GOODMAN, N. Languages of art. An approach to a theory of symbols. Indiana: Hackett Publishing, 1976.

GOW, Peter. “Piro Designs: Painting as Meaningful Action in an Amazonian Lived World”. Journal of the Royal Anthropological Institute 5(2): 229-246, 1999.

GRIGOLIN, Fernanda; MEDEIROS, Vânia; FELDHUES, Marina; ARAUJO, Nathanael; FABRES, Paola. Aquilo Tudo Antes do Porvir. Arte ConTexto , v. 4, p. 10-13, 2016.

GUSS, David. To weave and sing: art, symbol, and narrative in the South American rain Forest. Berkeley: University of California Press, 1990.

HILL COLLINS, Patrícia. Aprendendo com a outsider within: A significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 1 Janeiro/Abril, 2016.

LANGDON, Esther. “A fixação da narrativa: do mito para a poética da literatura oral”. In, Horizontes Antropológicos, ano 5, n. 12, Porto Alegre, 1999.

LEAVITT, J. “Words and Worlds. Ethnography and theories of translation”. In, HAU, 4(2): 193-220, 2014.

MANGUEL, Alberto. O expectador comum: a imagem como narrativa. In: Lendo imagens: uma história de amor e ódio. SP: Cia das Letras, 2001, pp. 16-33.

MCCLINTOCK, Anne. Couro Imperial. Raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Campinas, SP. Editora Unicamp, 2010.

MILLER, Daniel. Teoria das Compras. O que orienta as escolhas dos consumidores. Nobel, São Paulo, 2002.

REINHEIMER, Patricia. Olly. Race, class and gender in the invention of a rustic modernity. Common Ground Research Networks, 2020.

RIBEIRO, Ana Paula Alves; GAMA, Fabiene; ARAUJO, Nathanael; REINHEIMER, Patricia. Gênero nas Artes. REVISTA LUDERE, v. 5, p. 82-87, 2018.

SILVA, Nathanael Araujo da. As pessoas dos livros e os livros das pessoas: Uma etnografiada produção e circulação de obras LGBTs. Dissertação de mestrado, UFRRJ, RJ. 2016.

SANTOS, Anderson Pinheiro (Org). Diálogos entre Arte e Público - Acessibilidade Cultural: o que é acessível e para quem? Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, v. 3, 2010.






Realização


Apoio Cultural

Apoio



Patrocínio